quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Intel realiza workshop sobre inteligência artificial no ICMC

Empresa mostrará plataformas de aprendizado de máquina e aprendizagem profunda, além de apresentar exemplos de aplicações na vida real 



A inteligência artificial é um campo em franca expansão e, a cada dia, novas plataformas são criadas, possibilitando as mais diversas aplicações na vida real como, por exemplo, o reconhecimento automático de imagens. Com o objetivo de aprimorar o conhecimento dos estudantes da Universidade de São Paulo (USP), no campus de São Carlos, e da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), a Intel realizará um workshop sobre o tema no dia 30 de setembro, sábado, no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC).

O evento é gratuito e acontecerá das 8h30 às 13 horas. Para participar, é preciso se inscrever na plataforma Eventbrite: icmc.usp.br/e/ed933. Há 100 vagas disponíveis para estudantes da USP e 100 vagas para estudantes da UFSCar. As inscrições podem ser realizadas até dia 29, às 17 horas, ou enquanto houver vagas. 

Um dos coordenadores da iniciativa é Tulio Marin, gerente de Programas Acadêmicos da Intel. Segundo ele, o workshop abordará os fundamentos da área de inteligência artificial, com foco em frameworks recentemente otimizados para a arquitetura da empresa como, por exemplo, Neon, Caffe e Theano. Também serão abordados conteúdos relacionados a aprendizado de máquina, aprendizagem profunda e Redes Neurais Convolucionais (CNN), além de apresentadas aplicações na vida real.

Na opinião do professor André de Carvalho, do ICMC, especialista em inteligência artificial, há uma crescente demanda no mercado de trabalho por profissionais que possuem conhecimentos nessa área. “Constantemente, recebemos o contato de empresas buscando profissionais do ICMC que conheçam aplicações em aprendizado de máquina. Por isso, nossos estudantes precisam saber usar as ferramentas adequadas para essas aplicações e a Intel possui algumas das principais soluções criadas com essa finalidade”, explica o professor. “Poucas universidades têm acesso a essas soluções. Por isso, é um privilégio o ICMC sediar esse workshop”, acrescenta André. O professor é membro do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) e destaca a importância de promover a aproximação entre a academia e as empresas, um dos objetos do Centro. 

Texto: Denise Casatti – Assessoria de Comunicação do ICMC/USP

Mais informações
Seção de Eventos do ICMC: (16) 3373.9622
E-mail: eventos@icmc.usp.br

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Inscrições abertas na pós-graduação em Ciências de Computação e Matemática Computacional

Programa acaba de receber nota máxima na última avaliação realizada pela Capes e oferece vagas em 12 linhas de pesquisa diferentes

Inscrições para o mestrado podem ser realizadas até dia 25 de outubro; já quem deseja ingressar
no doutorado ou no doutorado direto pode se inscrever em qualquer época do ano

O Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, está com inscrições abertas para mestrado no Programa de Pós-Graduação em Ciências de Computação e Matemática Computacional (PPG-CCMC). São oferecidas até 68 vagas e o processo seletivo será realizado em apenas uma etapa, detalhada no edital disponível no site do Instituto: icmc.usp.br/e/eef2a. As inscrições devem ser realizadas até o dia 25 de outubro. Vale lembrar que, no caso do doutorado e do doutorado direto, as inscrições acontecem em fluxo contínuo durante todo o ano.

Nesta quarta-feira, 20 de setembro, foram divulgados os resultados da última avaliação quadrienal (2013-2016) dos programas de pós-graduação stricto sensu, realizada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). O PPG-CCMC recebeu a nota máxima (7) na avaliação. "A nota 7 é atribuída apenas a programas que têm excelência internacional, ou seja, que são equivalentes aos oferecidos pelas melhores universidades do mundo", explica o coordenador do PPG-CCMC, professor Adenilso Simão. Em todo Brasil, existem hoje 77 programas de pós-graduação na área de computação e apenas sete deles receberam a nota máxima da Capes. 

"Vale lembrar ainda que, aqui na USP, em São Carlos, é possível conquistar a formação em uma universidade de alto padrão sem abrir mão de uma ótima qualidade de vida”, acrescenta Adenilso. Ele explica que muitos estudantes, inclusive estrangeiros, optam por estudar em São Carlos porque o custo de vida é menor, se comparado ao das grandes cidades brasileiras. "Além disso, existe a possibilidade de morar perto da Universidade e vir caminhando estudar ou chegar rapidamente de carro, sem precisar enfrentar os congestionamentos comuns nas metrópoles", conta o professor. 

No caso do mestrado, podem participar do processo seletivo alunos que completaram a graduação e efetuaram a colação de grau até a data da matrícula. Os candidatos devem se inscrever pelo link vagas.icmc.usp.br. Veja, a seguir, as linhas de pesquisa existentes e as vagas disponíveis em cada uma.

Linhas de pesquisa em ciências de computação:
  • Recuperação de informações, descoberta de conhecimento, e engenharia de bancos de dados: 10 vagas .
  • Computação gráfica, imagens e visualização: 8 vagas.
  • Engenharia de software e sistemas de informação: 9 vagas .
  • Inteligência artificial: 12 vagas.
  • Robótica móvel e redes inteligentes: 3 vagas.
  • Sistemas distribuídos e programação concorrente: 6 vagas.
  • Sistemas embarcados e evolutivos: 3 vagas.
  • Sistemas web e multimídia interativos: 5 vagas 
Linhas de pesquisa em matemática computacional
  • Mecânica dos fluidos computacional: 7 vagas.
  • Otimização: 3 vagas.
  • Processamento visual e geométrico: 1 vaga.
  • Sistemas complexos, de partículas e teoria de controle: 1 vaga 

Texto: Assessoria de Comunicação do ICMC/USP

Mais informações
Edital do mestrado: www.icmc.usp.br/e/eef2a
Edital do doutorado: www.icmc.usp.br/e/c436d
Edital do doutorado direto: www.icmc.usp.br/e/2dfde
Página do Programa: www.icmc.usp.br/ccmc
Avaliação da Capes: www.icmc.usp.br/e/3b78e
Serviço de Pós-Graduação do ICMC: (16) 3373-9638
E-mail: posgrad@icmc.usp.br

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Game desenvolvido no ICMC é selecionado pelo Simpósio Brasileiro de Games e Entretenimento Digital

Criado pelo grupo de extensão Fellowship of the Game (FoG), que é focado no estudo e criação de games eletrônicos, Stack é um dos 90 jogos selecionados entre os 274 submetidos ao Simpósio

Game será apresentado durante festival de jogos em Curitiba

Um dos jogos desenvolvidos por alunos do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, foi selecionado para ser apresentado no XVI Simpósio Brasileiro de Games e Entretenimento Digital, o SBGames 2017, que acontecerá de 2 a 4 de novembro em Curitiba. Criado por três membros do grupo de extensão Fellowship of the Game (FoG), o game Stack foi lançado durante a última Semana de Computação do ICMC, a Semcomp 20.

Inspirado no clássico game Tetris, o objetivo do jogo é empilhar blocos montáveis e formar linhas de peças na mesma cor. Desenvolvido pelos alunos Anayã Gimenes Ferreira, Rafael Gallo e Gil Barbosa Reis, Stack será apresentado durante o festival de jogos, na categoria jogos de estudantes. “A ideia era criar um jogo que desafiasse a visão espacial e o raciocínio lógico do jogador em vez de seus reflexos”, explica Rafael Gallo, game designer e programador do jogo. Por isso, Stack possibilita uma boa visão do tabuleiro: “Assim, o jogador pode considerar muito bem suas opções e descobrir o melhor movimento a cada rodada”. 

Gratuito, o game está disponível gratuitamente para ser jogado em computadores e em navegadores web no link: https://fog-icmc.itch.io/stack. “É ótimo receber esse reconhecimento, mesmo tendo ainda um bom caminho pela frente. O grupo trabalhou muito para ter um jogo de alto nível de que nos orgulhássemos”, conta Anayã Ferreira, game designer e artista do jogo.

Stack é um jogo de puzzle 3D cujo objetivo é conectar blocos de montar em linhas e fazer com que eles não sejam empilhados demais. Quando uma linha fica completa com a mesma cor, desaparece e a pilha abaixa.


Sobre o SBGames – Realizado pela Sociedade Brasileira de Computação, o SBGames 2017 é o maior evento acadêmico da América Latina na área de jogos e entretenimento digital. Anualmente, o evento recebe cerca de mil estudantes, pesquisadores, desenvolvedores e empresários do Brasil e de outros países, como Argentina, Peru, Estados Unidos, Inglaterra e outros. Neste ano, o evento acontecerá na Pontifícia Universidade Católica do Paraná, em Curitiba. Além do Festival de Jogos, outras atividades fazem parte do simpósio, como exposição de artigos, pôsteres e palestras, tutoriais com especialistas, uma mostra de arte e vários workshops acadêmicos.

Este ano, houve um recorde de jogos inscritos na SBGames 2017: 274 no total. Entre os 90 jogos selecionados, 80 são digitais e 10 analógicos. Na categoria profissional, há 55 jogos, sendo 40 para PC, 13 para mobile e dois boardgames. Entre os 55, 7 jogos são em realidade virtual e seis são serious games (jogos sérios). Já na categoria jogos de estudantes, no qual está o Stack, 35 jogos foram selecionados, sendo 24 para PC, oito boardgames e três para mobile. Desses 35, dois jogos são em realidade virtual e quatro são serious games.

“A​ ​comissão​ ​está​ ​muito​ ​satisfeita​ ​com​ ​a​ ​seleção​ ​oficial.​ ​É​ ​um​ ​conjunto​ ​de​ ​jogos​ ​fantástico,​ ​de diversos​ ​gêneros,​ ​temas​ ​e​ ​públicos,​ ​que​ ​demonstram claramente​ ​o​ ​constante​ ​avanço​ ​da​ ​nossa comunidade de desenvolvedores”, escreveu a comissão de seleção da SBGames na página oficial do evento no Facebook

Palestra – Com a finalidade de estimular a participação dos estudantes do ICMC no mercado de games, o FoG promoverá a palestra Desenvolvimento de games para pesquisadores na próxima quarta-feira, a partir das 14 horas, no auditório Fernão Stella de Rodrigues Germano. Ministrada pelo mestrando Marcio Maestrelo Funes, do ICMC, a palestra apresentará a área de desenvolvimento de games para pesquisadores e estudantes que desejam analisar a experiência de usuários por meio da coleta de dados.

Marcio tem experiência na área de games e atua como docente e desenvolvedor. Também realiza pesquisas em avaliação de experiência do usuário, com interfaces baseadas em gestos, acessibilidade e web. O evento é aberto, gratuito e não necessita de inscrição prévia. Além disso, será transmitido ao vivo (e ficará disponível posteriormente) no canal do FoG no YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCbpQf6ks8uAGblsR1W0eFuQ.

Texto: Gabriel Toschi (coordenador de relações públicas do FoG) e Denise Casatti (assessoria de comunicação ICMC/USP)

Mais informações
Assessoria de Comunicação do ICMC: (16) 3373.9666
E-mail: comunica@icmc.usp.br

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

ICMC celebra a chegada da Primavera com plantio de árvores

Evento realizado pelo Programa ICMC-USP de Gestão Socioambiental marca o Dia da Árvore e a chegada da Primavera


Pau-brasil, jacarandá e quaresmeira são algumas das espécies de árvores que serão plantadas no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, durante o evento Vem chegando a primavera, que acontecerá no próximo dia 21 de setembro, quinta-feira. A atividade, que marcará o Dia da Árvore e a chegada da Primavera, será realizada das 8h30 às 12h30 na região em frente ao bloco 4 (próximo ao redondo). 

Promovido pelo Programa ICMC-USP de Gestão Socioambiental, o evento é gratuito, aberto à participação de todos os interessados e não demanda inscrição prévia. Serão diversas iniciativas, que começarão com uma sessão de ginástica laboral e contarão com a inauguração de um ponto de recolhimento de pilhas e CDs e de um novo local para coleta de doações a campanhas solidárias. Também será instalado um lavatório para canecas a fim de desestimular o uso de copos descartáveis. Haverá, ainda, a inauguração do novo jardim em frente ao bloco 4, onde, a partir das 11h30, acontecerá uma apresentação do Coral da USP São Carlos. Confira a programação completa:

- 8h30: ginástica laboral
- 9h: demonstração de uso de extintores
- 10h: café e apresentação de ações do programa
- 10h30: plantio de árvores e sorteios
- 11h30: apresentação do Coral USP São Carlos

Sobre o Programa - O Programa ICMC-USP de Gestão Socioambiental foi lançado em 2013, com o objetivo de integrar as ações socioambientais do Instituto e alinhá-las às iniciativas da Superintendência de Gestão Ambiental da USP. O objetivo é promover os princípios de sustentabilidade e o desenvolvimento sustentável em suas diversas dimensões, o uso racional dos recursos e a segurança ambiental no ICMC e na USP, além de difundir essa perspectiva no município e região. Compõem o programa a Brigada de Arboristas, o Museu da Fauna e da Flora, a Subcomissão de Sustentabilidade Ambiental e Desenvolvimento Sustentável (SADS), o USP Recicla, a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) e a Comissão de Ação e Integração Social (CAIS).

Mais informações
Página do programa: www.socioambiental.icmc.usp.br
Seção de Eventos do ICMC: (16) 3373.9622 - eventos@icmc.usp.br

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Time do ICMC vence etapa regional da Maratona de Programação

Equipes do Instituto conquistaram a primeira e a segunda colocação na regional de Piracicaba e participarão da final nacional da disputa, que acontecerá em Foz do Iguaçu dias 10 e 11 de novembro

Equipe campeã: Guilherme, Cezar e Victor (da esquerda para a direita)

No último sábado, 9 de setembro, enquanto a maioria dos estudantes curtia o feriado prolongado descansando, um grupo de 21 alunos do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, divertia-se enfrentando uma maratona de desafios de programação. Eles estavam em Piracicaba participando da etapa regional da Maratona de Programação

Dos sete times do ICMC presentes na competição, cada um composto por três participantes, um se consagrou campeão (equipe Tô Nem Vendo), outro ficou em segundo lugar (equipe Trei Linha) e os demais conquistaram posições de destaque no pódio, ocupando as seguintes colocações: quarto lugar (equipe Bla), sexto (A ideia foi do Otvio), sétimo (!NULL), nono (No democracy) e décimo segundo (while(bug)). 

Em Piracicaba, 45 times disputaram a regional. Em todo o Brasil, 837 equipes participaram da Maratona e os resultados obtidos pelo ICMC possibilitaram, em âmbito nacional, que a equipe Tô nem Vendo se classificasse em terceiro lugar e a equipe Trei Linha conquistasse a nona colocação. Ambas garantiram vagas para a final brasileira da Maratona, que ocorrerá em Foz do Iguaçu dias 10 e 11 de novembro.

O professor João Batista, que coordena o Grupo de Estudos para a Maratona de Programação (GEMA) do ICMC, acompanhou os estudantes durante o desafio em Piracicaba. Segundo ele, os resultados foram ótimos e o ICMC só não levará três times para a final nacional porque as regras impossibilitam que uma unidade de ensino e pesquisa tenha mais do que duas equipes na final.

O professor explica que a vaga na nacional é conquistada por quem fica nos 15 primeiros lugares na classificação geral. Além disso, cada etapa regional classifica também dois times para a final. “No caso do ICMC, ficamos em terceiro e nono lugar na pontuação nacional. Como havíamos conquistado o primeiro e segundo lugar na etapa local, essas vagas ficaram disponíveis para as equipes que estavam em terceiro e quarto lugar em Piracicaba”, conta o professor. Como em quarto lugar estava outra equipe do ICMC (BLA), a vaga na nacional foi concedida ao time que conquistou a quinta colocação.

Entre os estudantes do ICMC que irão para final nacional estão Cezar Guimarães, Guilherme Tubone e Victor Forbes – do time Tô Nem Vendo, que teve como técnico Nicolas Oe –, e Lucas Pacheco, Rodrigo Weigert e Samuel Ferreira – do time Trei Linha, que foi orientado por Danilo Tedeschi. Já os estudantes Bárbara Souza, Gabriel Pinto de Camargo e Lucas Turci são da equipe BLÁ. “A Bárbara é a única estudante do ICMC que, este ano, participou das competições de programação, um universo marcadamente masculino. Gostaríamos de incentivar mais mulheres a se engajarem na Maratona e no GEMA”, convida o professor João Batista. As equipes melhor classificadas na etapa nacional disputarão a final mundial da competição em Beijing, na China, de 15 a 20 de abril do próximo ano.

“Apesar da regional ser só uma etapa classificatória para a nacional, acredito que esses resultados demonstram como nossos times estão aptos a disputar uma colocação entre os melhores times na próxima fase e têm plena condição de trazer um bom resultado para o ICMC”, revela Bruno Sanches, integrante do GEMA. “O desempenho que se pode ver na regional é o resultado de uma combinação de dedicação contínua de várias gerações para fortalecer a cultura da Maratona de Programação dentro do ICMC e também do trabalho duro que os membros desses dois times tiveram ao longo dos anos”, finaliza.

Este ano, os estudantes do ICMC partiram de São Carlos para disputar a etapa regional em Piracicaba

Texto: Denise Casatti – Assessoria de Comunicação ICMC/USP

Mais informações
Site da Maratona: http://maratona.ime.usp.br
Assessoria de Comunicação do ICMC: (16) 3373.9666
E-mail: comunica@icmc.usp.br

Veja como foi o Workshop de Teses e Dissertações em Matemática do ICMC

Na abertura do evento, Felipe recebeu o Prêmio Gutierrez

Realizado entre os dias 28 e 29 de agosto, o VII Workshop de Teses e Dissertações em Matemática promoveu a divulgação das pesquisas realizadas no âmbito do Programa de Pós-graduação em Matemática do Instituto. Durante a abertura do evento, ocorreu a cerimônia do Prêmio Carlos Gutierrez de Teses de Doutorado 2017, que reconhece, a cada ano, a melhor tese de doutorado em matemática defendida no Brasil no ano anterior. 

Este ano, o Prêmio foi entregue a Felipe Ferreira Gonçalves por sua tese Extremal Problems, Reconstruction Formulas and Approximations of Gaussian Kernels. Mestre e doutor pelo Instituto de Matemática Pura e Aplicada, Felipe é professor assistente da Universidade de Alberta, em Edmonton, no Canadá. Além disso, a tese intitulada Decomposição de Grafos em Caminhos, de Fábio Happ Botler, recebeu menção honrosa. Com graduação e mestrado na Universidade Federal de Pernambuco, ele fez doutorado no Instituto de Matemática e Estatística (IME) da USP e é professor da Universidade do Chile.



Veja o álbum de fotos no Flickr e no Facebook!

Confira a reportagem do IMPA sobre a premiação: icmc.usp.br/e/0de6d

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

ICMC abre concurso para professor titular nas áreas de matemática e sistemas de computação

Inscrições podem ser realizadas até dia 23 de fevereiro

Estão abertas as inscrições para dois concursos que oferecem vagas de professor titular no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos. O salário é de R$ 15.862,33. 

Uma das vagas é no departamento de matemática e a outra no departamento de sistemas de computação. As inscrições devem ser realizadas exclusivamente via internet até às 17 horas do dia 23 de fevereiro de 2018 (horário oficial de Brasília) por meio deste link: https://uspdigital.usp.br/gr/admissao

Para obter mais detalhes sobre prazos, provas e documentações, acesse os editais nos links a seguir: icmc.usp.br/e/f4ee2 (área de matemática) e icmc.usp.br/e/6b420 (área de sistemas de computação).

Crédito da imagem: Denise Casatti - Assessoria de Comunicação do ICMC

Mais informações
Edital ATAc/ICMC/SMA-USP nº 065/2017 (matemática): icmc.usp.br/e/f4ee2
Edital ATAc/ICMC/SSC-USP nº 066/2017 (sistemas de computação): icmc.usp.br/e/6b420
E-mail: sacadem@icmc.usp.br

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Confira as imagens da Feira USP e as Profissões


Durante a Feira USP e as Profissões, que aconteceu de 24 a 26 de agosto em São Paulo, os estudantes tiveram a oportunidade de esclarecer as dúvidas no estande do ICMC. Professores, funcionários e alunos participaram da iniciativa, que contribuiu para divulgar os oito cursos de graduação oferecidos pelo Instituto.

Confira algumas imagens marcantes do evento no Flickr e no Facebook!

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Como a diplomacia da ciência pode contribuir para transformar nosso mundo

Pesquisador da USP é o único brasileiro a fazer parte de um comitê recém-criado com o objetivo de aproximar cientistas e gestores públicos na busca por solucionar problemas que afligem a América Latina e o Caribe.

Workshop sobre assessoramento científico governamental na Argentina debateu os desafios da diplomacia da ciência

Construir redes para conectar cientistas e tomadores de decisão não é tarefa simples nem para os mais experimentes cientistas da computação. Porém, esse é um dos desafios que o professor André de Carvalho decidiu enfrentar. Pesquisador do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, André foi selecionado para uma vaga no comitê criado pela Rede Internacional para Assessoramento Científico Governamental (INGSA, na sigla em inglês) especialmente para debater os desafios da diplomacia da ciência na América Latina e no Caribe.

Ele e mais cerca de 60 pesquisadores e gestores públicos se reuniram em Buenos Aires, na Argentina, de 28 a 30 de junho, para participar do Wokshop da América do Sul para Assessoramento Científico Governamental, organizado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Produtiva da Argentina em conjunto com a INGSA e a Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAI). Financiado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e pelo Centro Internacional de Pesquisa para o Desenvolvimento, o evento analisou as contribuições que a ciência pode prover para o aprimoramento de políticas públicas em diferentes áreas, além de promover uma troca de experiências entre os participantes e discutir os desafios que devem ser enfrentados. 

Segundo o professor André, as atividades do centro estão muito ligadas a uma área conhecida por diplomacia da ciência, que tem crescido em importância nos países desenvolvido nos últimos anos: “A UNESCO possui várias iniciativas para fortalecer a diplomacia da ciência e a AAAI possui um centro dedicado ao tema. A diplomacia da ciência estimula a colaboração científica entre países, por considerá-la parte essencial da política externa na era do conhecimento”. O professor conta que, na época da Guerra Fria, era comum existirem militares como membros de embaixadas e consulados. Atualmente, em vários países, eles vêm sendo substituídos pela crescente presença de diplomatas cientistas.

No início de agosto, André recebeu a notícia de que havia sido selecionado para fazer parte do seleto comitê, que conta apenas com oito membros. Ele é o único brasileiro a fazer parte do time, do qual participam dois cientistas argentinos, dois chilenos, uma colombiana, uma peruana e uma venezuelana. Diretor do Centro de Aprendizado de Máquina em Análise de Dados (NAP-AMDA), André também é vice-diretor do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas a Indústria (CeMEAI) e faz parte da Rede Nacional de Ciência para Educação (Rede CpE).

Nesta entrevista, o professor fala sobre a relevância de participar desse comitê recém-criado pela INGSA, dá exemplos de como a análise de dados pode ser relevante para a construção de políticas públicas mais bem-sucedidas e explica como pretende promover a diplomacia científica no Brasil. 

Professor André é o único brasileiro que fará parte
do comitê recém-criado pela INGSA

Qual a relevância de se tornar membro do comitê criado pela INGSA especialmente para a América Latina e para o Caribe?
A INGSA é uma instituição internacional que procura fortalecer os laços entre academia e estado. Isso é muito forte no Reino Unido, lá todo primeiro ministro tem um cientista chefe que faz essa interlocução. Ele não vai responder todas as dúvidas do primeiro ministro e aconselhá-lo sozinho. Sua função é saber quem, na comunidade científica, pode ajudar o governo a resolver certos desafios. A ideia é dar soluções científicas, baseadas em evidências, para a solução dos problemas enfrentados por um país. A INGSA também possui importantes contribuições na diplomacia da ciência. Esse tipo de diplomacia já é realizado de forma efetiva no Reino Unido, na Nova Zelândia, no Japão e no Canadá. Algumas embaixadas, pelo menos dos países mais desenvolvidos, contam com um cientista. Porque muitas discussões que ocorrem entre os países estão relacionadas a descobertas cientificas, colaborações, patentes e propriedade intelectual. 


No Workshop de que você participou na Argentina houve exemplos de como a diplomacia da ciência pode contribuir com o desenvolvimento dos países?
No Workshop, houve várias atividades práticas. Por exemplo: imagine que está acontecendo uma catástrofe em um país, como a epidemia do zika vírus. Como o cientista pode sugerir ao governo políticas para lidar com esse problema? É claro que os gestores públicos não vão, necessariamente, seguir os conselhos dos cientistas, mas pelo menos precisam saber que os cientistas podem ajudar a resolver esses problemas, com base científica. É necessário reconhecer que os governos podem tomar decisões baseadas em evidências. 

Quais são os principais desafios no começo dessa sua nova jornada?
A primeira questão é sensibilizar o governo para a importância de ouvir os cientistas e sensibilizar os cientistas para que contribuam mais com o governo na solução dos problemas que afetam a população. Não adianta convencer só uma dessas partes. Em vez de ficarem discutindo entre elas, precisam entender que uma parte precisa da outra e que, no final, é o país que se beneficia dessa relação. Então, talvez esse esforço já possa criar uma consciência maior no país da importância dessa interlocução. Nesses países onde a diplomacia da ciência é bem estabelecida, há uma forte comunicação do governo com a academia de ciências dos países. Nós temos uma academia de ciências aqui no Brasil, a Academia Brasileira de Ciências (ABC), que pode ser um importante interlocutor do estado.


Existem algumas ações que você pretende desenvolver aqui no Brasil para promover essa aproximação entre cientistas e gestores públicos?
Primeiro, minha intenção é discutir com a ABC essa iniciativa da criação do comitê da INGSA. Depois, vou procurar interlocutores no governo, não só no âmbito executivo, mas também no legislativo, para mostrar que existe essa necessidade de conectarmos academia e estado. Porque isso acaba beneficiando a população inteira, com melhores políticas públicas para a saúde, para lidar com catástrofes que possam ocorrer e para planejar o futuro também. Quer dizer, não sou eu que vou tomar decisão nenhuma, eu só quero ajudar a conectar essas duas pontas. 


Você poderia dar alguns exemplos sobre como a área científica em que você atua, o campo da ciência de dados, pode contribuir com o desenvolvimento de políticas públicas mais bem-sucedidas? 
Os cientistas de dados podem, por exemplo, avaliar dados para fazer predições de catástrofes ou de epidemias. Outra possibilidade é a análise de dados educacionais, que nos permitem avaliar as ações que estão trazendo bons resultados e as que precisam ser realizadas de outra forma. É assim que podemos chegar a conclusões do tipo: “a gente está indo mal porque estamos fazendo assim e outro país está indo muito bem porque está fazendo de outro jeito”.

A análise de dados também é fundamental para planejarmos o futuro e melhorar alguma política pública que não está dando certo. Por exemplo: atualmente, a segurança no Rio de Janeiro é um problema muito grave. Então, podemos estudar os dados e empregar técnicas de ciência de dados para propor uma nova política pública. Existem várias pesquisas que aplicam técnicas de ciência de dados para analisar a segurança. Mas esses estudos ficam restritos à academia e não chegam ao conhecimento dos gestores públicos. Isso não tem que ser uma iniciativa de um governo, tem que uma atitude do estado, você não pode ficar à mercê do governante da vez. 


Qual a diferença entre uma política de governo e uma política de estado?
Quando você tem política de governo, você acaba tendo política de curto prazo. Por isso, é comum que, quando entra um novo governo, ele não continue o que o anterior fez. Já a política de estado independe de partido político, de viés ideológico. É aonde a gente quer chegar. Claro, cada um pode achar que um caminho é mais interessante que outro, mas tem que haver um método em comum com alguns submétodos no caminho. Cada um dá seu “tempero” quando está no governo, mas a política de estado deve ser uma só. Por exemplo, se estabelecermos que, em 20 anos, a gente tem que acabar com o analfabetismo, isso passa a ser uma meta independentemente de quem esteja no governo.


Você acredita que se houvesse uma política de estado para a ciência, não estaríamos passando pela atual crise de falta de recursos?
Eu acho. Porque o governo hoje está olhando a ciência como se fosse um luxo. Não enxerga a ciência a longo prazo. Isso também tem a ver com a forma como alguns políticos pensam o país, enxergando apenas o curto prazo, a próxima eleição. Precisamos pensar a longo prazo e levar em conta toda a população em vez dos nossos próprios interesses. Eu sempre penso que a gente tem que olhar primeiro para o mundo, depois para o país, a seguir para o Estado de São Paulo, para a universidade e, só então, para nós mesmos. No entanto, as pessoas fazem o contrário.


Na sua opinião, a falta dessa diplomacia da ciência contribuiu para chegarmos à crise de credibilidade que a área vive hoje em âmbito mundial?
Sim. Quando existe uma crise econômica por exemplo, os gestores públicos nem levam em conta chamar um cientista para ajudar a pensar na direção que se deve seguir. As decisões são baseadas no que o político pensa e não em conceitos sólidos da ciência, em evidências. A ideia é termos uma governança mais baseada em evidências do que em dogmas, é isso que alguns países desenvolvidos estão tentando fazer. E isso é olhar a longo prazo também. Não adianta gerar riqueza se você destrói o planeta, se as pessoas não têm boa qualidade de vida.


Muitos cientistas estão deixando o Brasil porque não estão enxergando uma perspectiva futura promissora no campo da ciência. Você vê de maneira otimista o futuro da ciência no nosso país?
Sim. A gente não pode largar nosso país para deixar que destruam ele. Eu não critico quem quer sair do Brasil, mas por outro lado você pode trabalhar para mudar o nosso país. Eu entendo os dois lados. No entanto, posso apontar exemplos bem-sucedidos como o da Nova Zelândia. O país está crescendo, a população tem qualidade de vida. Como eles estão conseguindo fazer isso? Estão usando a ciência. Quando surgiu um boato de que um vulcão entraria em erupção lá e haveria um grande terremoto em uma determinada cidade, a população entrou em pânico. O que o governo fez? Chamou o comitê de cientistas que o assessora para pedir sugestões. A proposta desse comitê foi enviar a equipe do governo para aquela cidade no dia previsto para a tragédia acontecer. Dessa forma, eles passaram a mensagem para a população de que confiavam nos cientistas, os quais diziam que não haveria erupção nem terremoto. Com todos os ministros na cidade, a população foi tranquilizada.


Durante a última reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, alguns cientistas lançaram a ideia de criar um partido político no Brasil em prol da defesa da ciência. Você acredita que essa é a melhor solução para a atual crise?
Eu acho que não. Porque esse partido político seria setorizado. Nesse caso, precisaríamos ter um partido para cada tema importante para a população. Na minha opinião, a preocupação com a ciência e o apoio aos cientistas precisa existir em todos os partidos. 

Texto: Denise Casatti – Assessoria de Comunicação do ICMC/USP

Mais informações
Site da INGSA: www.ingsa.org
Assessoria de Comunicação do ICMC: (16) 3373.9666
E-mail: comunica@icmc.usp.br

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Encontro de Experiências em Estatística: evento no ICMC debate projetos e estágios na área

Aberto a todos os interessados, evento será realizado no dia 21 de outubro, às 8 horas


A terceira edição da iniciativa reuniu cerca de 60 participantes

Estimular o debate entre alunos, professores e egressos sobre a realização de estágios e projetos na área de estatística. Esse é o objetivo do Encontro de Experiências em Estágios e Projetos (EEEP Best 2017), evento que acontecerá no dia 21 de outubro, sábado, no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos.

O evento é organizado pela professora Katiane Silva e contará com palestras, dinâmicas e bate-papos com professores do curso de Estatística, estudantes que fazem estágio em empresas da região e egressos que já estão no mercado de trabalho. O encontro, que está na sua quarta edição, acontecerá no auditório Luiz Antonio Favaro (sala 4-111) do ICMC, das 8 às 12h30.

Para participar, é preciso preencher o formulário disponível no link www.icmc.usp.br/e/49ae0 e pagar a taxa de inscrição na Seção de Eventos do ICMC (sala 4-000) ou por depósito na conta indicada no formulário. No caso de depósito, é preciso enviar o comprovante para eventos@icmc.usp.br. Até 30 de setembro, o valor para alunos de graduação e pós-graduação é de R$ 5, enquanto demais participantes pagam R$ 10. A partir de 1º de outubro, a taxa será de R$ 10 para todas as categorias.

Texto: Alexandre Wolf - Assessoria de Comunicação ICMC/USP

Mais informações
Seção de Eventos do ICMC: (16) 3373.9622
E-mail: eventos@icmc.usp.br

Cursos do ICMC são cinco estrelas na avaliação do Guia do Estudante

Dos 121 cursos da USP avaliados com cinco estrelas pelo Guia do Estudante, 6 são do ICMC

Instituto oferece cursos nas áreas de computação, matemática e estatística

Se você ainda está na dúvida sobre qual curso e universidade escolher pode contar com a ajuda da avaliação do Guia do Estudante Profissões Vestibular 2018. O Guia concedeu cinco estrelas, a avaliação máxima, a seis cursos de graduação oferecidos pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos. Considerando-se toda a USP, 121 cursos da Universidade receberam essa avaliação (confira a lista dos cursos avaliados).

No ICMC, a nota máxima foi alcançada pelos cursos de Ciências de Computação, Sistemas de Informação, Licenciatura em Matemática, Bacharelado em Estatística, Engenharia de Computação (oferecido em parceira com a Escola de Engenharia de São Carlos) e Licenciatura em Ciências Exatas (oferecido em parceira com o Instituto de Física de São Carlos e com o Instituto de Química de São Carlos). Já o Bacharelado em Matemática e o Bacharelado em Matemática Aplicada e Computação Científica foram avaliados na mesma categoria e receberam quatro estrelas. Os estudantes que desejam obter mais informações sobre os cursos oferecidos pelo ICMC podem consultar o guia Faça parte do futuro.

Vale lembrar que as inscrições para o vestibular da Fuvest 2018 terminam dia 11 de setembro e que os estudantes também podem ingressar na USP por meio do Sistema de Seleção Unificada (SiSU).

Gráfico mostra evolução dos cursos da USP avaliados com cinco estrelas (fonte: Jornal da USP)

Metodologia do Guia – Publicado pela Editora Abril, o Guia do Estudante Profissões Vestibular 2018 passará a circular nas bancas a partir de 16 de outubro e é um dos principais veículos de avaliação de cursos superiores de bacharelado e licenciatura. A avaliação do Guia do Estudante é constituída de uma pesquisa de opinião feita, basicamente, com professores e coordenadores de curso. Eles emitem conceitos que permitem classificar os cursos em bons (três estrelas), muito bons (quatro estrelas) e excelentes (cinco estrelas).

O questionário que é enviado para os educadores é composto por 15 questões com temas relativos ao corpo docente, produção científica e instalações físicas, entre outros. Vale lembrar que, por se tratar de uma pesquisa de opinião, os resultados refletem, sobretudo, a imagem que o curso tem perante a comunidade acadêmica.

Texto: Denise Casatti - Assessoria de Comunicação ICMC/USP
Foto: Nilton Junior/ArtyPhotos

Mais informações
Site do ICMC: icmc.usp.br/graduação
Guia Faça Parte do Futuro: icmc.usp.br/e/19bf6
Assessoria de Comunicação ICMC: (16) 3373.9666
E-mail: comunica@icmc.usp.br

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Veja como foi a 20ª edição do Simpósio de Matemática para a Graduação

"Topologia geométrica para inquietos" foi o tema da palestra ministrada pelo professor Ton Marar no evento

A comemoração dos 20 anos do Simpósio de Matemática para a Graduação (SiM)  foi marcada por 13 palestras, dois minicursos, um Seminário de Coisas Legais e uma oficina de jogos de tabuleiro e de origami. As atividades aconteceram de 21 a 25 de agosto e mobilizaram os estudantes dos cursos  da área de matemática oferecidos pelo ICMC.

No final do evento, os estudantes que realizaram as melhores apresentações orais ganharam a medalha Garfields, uma alusão à medalha Fields, concedida a jovens matemáticos expoentes. Os que se destacaram nas apresentações de pôsteres também foram premiados. Além disso, houve o reconhecimento aos alunos que obtiveram o melhor desempenho acadêmico nos cursos de Bacharelado em Matemática, Licenciatura em Matemática e Bacharelado em Matemática Aplicada e Computação Científica. Confira, abaixo, quem foram os estudantes que receberam esses prêmios.

Veja o álbum de fotos no Flickr e no Facebook!


Melhores apresentações orais no SiM 2017 - Medalha Garfields
Medalha Garfields ouro: Luciano Renato Rocha
Medalha Garfields prata: Luís Doin
Medalha Garfields bronze: Isaac Souza Silva

Melhores apresentação de pôsteres no SiM 2017
Primeiro lugar: Diany Akiki Nakamura
Segundo lugar: Victor Passarelli Destefane
Menção honrosa: Diego Bortolotti Secco

Lista dos alunos com melhor desempenho acadêmico

Bacharelado em Matemática Aplicada e Computação Científica
Natalie Alholinna Meusling Menato
Felipe Elias Osti
Gustavo Alexandre Sousa Miziara
Allan Vinicius da Silva

Bacharelado em Matemática 
Felipe Espreafico Guelerman Ramos
Edmundo Bernardo de Castro Martins
Lucas Mioranci
José Carlos Fontanesi Kling
Pedro Henrique Carvalho Silva
Menção honrosa: Eduardo Rocha Walchek; Vinícius Novelli da Silva; Maira Duran Baldissera; Ana Lucilia Chaves de Toledo; Leandro Goulart Pereira; Felipe Cesar Freitas Monteiro; Luciano Renato Neves Rocha.

Licenciatura em Matemática
2016 Manoel Lamin Neto
2015 Sofia Coelho Rodrigues
2014 Fernanda Martins da Silva
Menção honrosa: Ana Lucilia Chaves de Toledo; Angelina Carrijo de Oliveira.

Núcleo Geral - Matemática (2017)
Fernanda Martins Simão
Isadora Vieira Coelho da Silva
Aires Eduardo M. Barbieri 
Lucas Henrique Destro de Toledo

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Confira como foi a 20ª Semana de Computação do ICMC


A semana de 11 a 18 de agosto foi agitada para os estudantes dos cursos de computação oferecidos pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, que participaram da 20ª Semana de Computação (Semcomp).

Promovida anualmente por alunos do ICMC em parceria com os grupos PET Computação e Fellowship of the Game (FoG), a Semcomp contou com uma programação bastante diversificada: 12 palestras, 22 minicursos, oito atividades culturais, uma Game Jam, uma Gamenight, uma feira de recrutamento e diversos desafios. 

O encerramento do evento foi marcado pelo reconhecimento aos estudantes que conquistaram o melhor desempenho acadêmico nos cursos de Ciências de Computação, Sistemas de Informação e Engenharia de Computação, obtendo as maiores médias. Confira, a seguir, quem foram os alunos premiados.

Veja o álbum da Semcomp no Flickr e no Facebook!


Lista dos alunos com melhor desempenho acadêmico

Bacharelado em Ciências de Computação:
1. Cezar Guimaraes Filho,
2. Elisa Trujillo
3. Matheus Saldanha

Bacharelado em Sistemas de Informação:
1. Rafael dos Santos Pereira
2. Thomás Michelena Santos
3. Gustavo de Moura Souza

Engenharia de Computação:
1. Giuliano Barbosa Prado
2. Moisés Botarro Ferraz Silva
3. Henrique da Silveira

Evento internacional de celebração do software livre acontece em São Carlos

Interessados podem se inscrever para participar de minicursos e também ministrar palestras


Um dia internacional dedicado para a cultura do software livre. Este ano, o Software Freedom Day (Dia da liberdade de software) será realizado na USP, em São Carlos, dia 16 de setembro, sábado. A iniciativa existe desde 2004 e conta com diversas atividades ao redor do planeta. Em 2016, por exemplo, foram realizados 128 eventos diferentes. 

O objetivo do Software Freedom Day é reunir a comunidade para educar o público sobre software livre, divulgando e incentivando seu uso. A edição de São Carlos contará com dois minicursos, um de Linux e outro de Arduino, quatro palestras e um festival de instalação do sistema operacional livre Linux. A organização dá oportunidade para interessados falarem no evento, bastando se inscrever pelo link icmc.usp.br/e/c3ba1 até o dia 2 de setembro. Serão aceitas palestras sobre os temas liberdade de software, hardware e cultura livre, em especial com enfoque no impacto da liberdade no dia a dia do uso de computadores e tecnologia. Já as inscrições para os minicursos ficarão abertas até o dia 16 ou enquanto houver vagas. São 25 vagas disponíveis para o minicurso de Linux e 30 para o de Arduino.

Em São Carlos, o Software Freedom Day é realizado pelos grupos SancaLUG e grupy-sanca, com o apoio do Centro de Competência em Software Livre, sediado no Instituto de Ciências Matemáticas e Computação (ICMC), do Instituto de Física de São Carlos (IFSC) e do Grupo TOPUS da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC). As atividades acontecerão das 8h30 às 19 horas. Os minicursos serão realizados nos Laboratórios de Ensino de Física (LEF) e as palestras no Anfiteatro Azul, todos localizados no IFSC.

Mais informações
Site do evento: icmc.usp.br/e/6554b
Inscrições para palestras: icmc.usp.br/e/c3ba1
E-mail: rberaldo@cabaladada.org

Inscreva-se no processo seletivo da ICMC Júnior

Ao participar da iniciativa, estudantes podem ter contato com um ambiente empresarial durante a graduação e aprimorar habilidades relacionadas à liderança e ao trabalho em equipe

Inscrições estão abertas até a próxima quarta-feira, 6 de setembro

Estão abertas, até o dia 6 de setembro, as inscrições para os alunos do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) que desejarem fazer parte da ICMC Júnior, empresa que atua no mercado de tecnologia da informação e web há 25 anos. O candidato pode estar cursando qualquer ano da graduação e não é necessário que tenha conhecimento prévio. As inscrições são gratuitas, não há limite de vagas e devem ser realizadas neste link: icmc.usp.br/e/e41e6

“Os principais aprendizados que um aluno tem ao participar da ICMC Júnior é o contato com um ambiente empresarial mesmo durante a graduação. Esse contato difere-se muito do que é proporcionado em um estágio, por exemplo, pois a gestão de uma empresa júnior é realizada totalmente pelos graduandos”, revela a Mariana Menezes, diretora presidente da ICMC Júnior. Ela explica que, em empresas juniores, é possível aprender a negociar, trabalhar em equipe, liderar, lidar com clientes e adquirir noções de planejamento estratégico. “Além do mais, um forte envolvimento com uma empresa júnior é muito bem visto no mercado de trabalho, de forma que alguns processos seletivos são exclusivos para empresários juniores”, acrescenta Mariana.

O processo seletivo será constituído de três etapas. Na primeira fase, é solicitado o envio de um vídeo de até três minutos de duração em que o candidato deverá fazer sua apresentação pessoal, relatar suas motivações, contar a experiência que já possui, descrever os motivos pelos quais deve ser contratado e falar de suas expectativas em relação à ICMC Júnior.

Os aprovados nessa primeira etapa serão convidados para a segunda fase de seleção, que consistirá na resolução de um case ou projeto relacionado à área de interesse pela qual o candidato optou no momento da inscrição. Finalmente, os candidatos selecionados na segunda etapa serão convocados para a última fase, que será uma entrevista. Para obter informações detalhadas sobre o processo, basta acessar o manual do candidato: icmc.usp.br/e/a36a8.

Quem se tornar um novo membro da ICMC Júnior receberá orientações sobre a empresa e suas diretorias por meio de treinamentos, eventos e reuniões. “Ao entrar na ICMC Júnior, os estudantes também passam a fazer parte do Movimento Empresa Júnior, que tem o propósito que construir um Brasil Empreendedor”, finaliza Mariana.


Texto: Denise Casatti – Assessoria de Comunicação ICMC/USP

Mais informações
Formulário de inscrições: icmc.usp.br/e/e41e6
Manual do candidato: icmc.usp.br/e/a36a8
Telefone: (16) 3373-9704
E-mail: wendel.kawahira@icmcjunior.com.br

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Inscrições abertas para a primeira Semana da Engenharia de Computação da USP São Carlos

Primeira edição do evento acontece de 18 a 22 de setembro

Estão abertas as inscrições para a primeira Semana da Engenharia de Computação (SEnC) da USP, em São Carlos. O evento, que tem como objetivo complementar a formação profissional e acadêmica dos participantes, será realizado de 18 a 22 de setembro, e contará com uma programação bastante diversificada: palestras, minicursos, viagem técnica, atividades culturais e feira de recrutamento e de exposição de projetos.

Qualquer pessoa interessada em saber mais sobre a área de engenharia de computação pode participar do evento. Para se inscrever, basta acessar, até 14 de setembro, este link: icmc.usp.br/e/26617. A entrada nas palestras, nas atividades culturais e na feira é gratuita. Já aqueles que desejarem participar das demais atrações devem pagar a taxa de inscrição, que varia de R$ 25 (kit congressista) a R$ 65, pacote que inclui vaga para a viagem técnica e acesso aos coffee breaks e a todos os minicursos. No total, haverá dez minicursos em que os participantes poderão se inscrever a partir de 11 de setembro. 

O pagamento da taxa pode ser realizado pessoalmente no corredor do bloco didático da área II do campus da USP, em São Carlos, das 9h50 às 10h10, das 12 às 14h20 e das 16 às 16h20. São aceitos pagamentos em dinheiro, cartão e transferência bancária. Quem desejar efetuar o pagamento via boleto eletrônico deve entrar em contato com a coordenação do evento via e-mail (contato.senc@gmail.com). Para conferir a programação completa, acesse este link: icmc.usp.br/e/d8808.

Identidade em construção – Oferecido pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) e pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) desde 2003, o curso de Engenharia de Computação conta hoje com 291 alunos e mescla em sua grade curricular disciplinas da área de computação e de engenharia elétrica.

Um desses alunos é Tiago Daneluzzi, coordenador da primeira SEnC. Ele conta que a ideia de criar o evento surgiu porque, todos os anos, os estudantes enfrentavam um problema: se optavam por participar da semana dos cursos de computação, sentiam falta de conteúdos da área de engenharia elétrica; por outro lado, ao participarem da semana da engenharia elétrica, sentiam falta de conteúdos da área de computação.

Desde setembro do ano passado, uma comissão formada por 18 alunos vêm trabalhando no planejamento e na organização do evento, buscando apoiadores e patrocinadores. Dois professores tornaram-se tutores da iniciativa: Eduardo Marques, do ICMC, e Carlos Maciel, da EESC. “Com o apoio de professores, dos coordenadores e de alunos do próprio curso, a SEnC foi criada com o objetivo principal de discutir a identidade do engenheiro de computação, buscando levar esse profissional a ser mais reconhecido pelo mercado de trabalho e pela própria sociedade”, revela Tiago. 
A iniciativa começará no dia 18 de setembro, segunda-feira, a partir das 7h30, quando ocorrerá o credenciamento e um café da manhã, seguido pela palestra “A identidade do engenheiro de computação”, que será ministrada pela professora Kalinka Castelo Branco, do ICMC, no auditório Jorge Caron, da EESC. Na terça e na quarta-feira, acontecerão mais palestras e nove minicursos (confira a lista a seguir). Na quinta-feira, será realizada a Feira da Engenharia de Computação, que contará com estandes de empresas e apresentações de grupos extracurriculares e de projetos de pesquisadores e alunos. Por fim, as viagens técnicas acontecerão na sexta-feira no período da manhã. Haverá também atividades culturais à noite.

Comissão formada por alunos está trabalhando no planejamento
do evento desde setembro do ano passado
Texto: Denise Casatti - Assessoria de Comunicação do ICMC

Mais informações
Página da SEnC no Facebook: www.facebook.com/semanaengenhariacomputacao
E-mail: contato.senc@gmail.com

Confira os 10 minicursos da Semana da Engenharia de Computação
  • Aplicações modernas web: básico até a produção (12 horas)
  • Técnicas de ataques contra medidas de segurança da informação (8 horas)
  • Introdução ao projeto de PCV (8 horas)
  • Sistemas embarcados (8 horas)
  • Staturp do 0 ao infinito (4 horas)
  • Gerenciamento ágil de software e prototipagem rápida em papel (4 horas)
  • Hands on de internet das coisas em Azure IoT com Python (4 horas)
  • Descobrindo o Arduino - uma introdução ao Atmega (4 horas)
  • Produtividade (4 horas)
  • Excel (4 horas)

Inscrições abertas para curso de introdução ao desenvolvimento Android no ICMC

Aulas acontecerão de 12 setembro a 24 de outubro, às terças-feiras, das 16 às 18h35; há 30 vagas disponíveis



Interessados em aprender sobre desenvolvimento de aplicativos na plataforma Android podem se inscrever gratuitamente no curso que será oferecido pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos. Há 30 vagas disponíveis e as inscrições devem ser feitas até 8 de setembro ou enquanto houver vagas.

Voltado a alunos de graduação e pós-graduação, o curso é aberto a todos os interessados e tem como objetivo apresentar a teoria e a prática do desenvolvimento para a plataforma Android, visando complementar a formação de estudantes de computação. Para se inscrever, basta acessar o sistema Apolo, por meio deste link: icmc.usp.br/e/3d2f9.

As aulas  acontecerão de 12 setembro a 24 de outubro, às terças-feiras, das 16 às 18h35, e serão ministradas pelo pós-doutorando Caio César Viel e pelo doutorando Olibário José Machado, sob coordenação da professora Maria da Graça Pimentel, todos do ICMC. Clique e confira a programação completa do curso: icmc.usp.br/e/ee9ae.

Texto: Alexandre Wolf - Assessoria de Comunicação ICMC/USP

Curso de introdução ao desenvolvimento Android
Inscrições: icmc.usp.br/e/3d2f9
Quando: de 12 de setembro a 24 de outubro, às terças-feiras, das 16 às 18h35
Local: Laboratório 6-303 do ICMC, na área I do campus da USP, no centro de São Carlos.
Mais informações: (16) 3373.9146 ou ccex@icmc.usp.br

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Cursos da USP: Estatística é considerada a profissão do futuro

Graduação é oferecida em São Paulo e São Carlos. Área possui diversas aplicações, mas carece de profissionais

O estatístico Julio Trecenti, doutorando do Instituto de Matemática e Estatística da USP
(crédito: Marcos Santos/USP Imagens)

A melhor carreira de 2017 nos Estados Unidos, segundo o site CareerCast, é também a segunda mais rentável no Brasil, de acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Apesar de pouco conhecida, a estatística — ciência que coleta, analisa e sumariza dados — é reconhecida como a profissão do futuro na era do Big Data.

“A demanda pela carreira é causada pela enorme quantidade de dados produzidos diariamente, contrastando com a falta de profissionais formados para lidar com eles”, explica Adilson Simonis, professor do Instituto de Matemática e Estatística (IME) da USP, em São Paulo, a primeira unidade a oferecer a graduação em Estatística na Universidade.

Acompanhando a tendência do mercado, foi criada, em 2009, a segunda graduação em Estatística da USP, no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC), em São Carlos.

 “Vivemos num mundo de dados”, reflete Jorge Luiz Bazán Guzmán, professor do ICMC. “Previsões e análises podem ser aplicadas às mais diversas áreas, como o direito, o esporte ou a medicina. Por isso, nossos alunos não encontram dificuldades em se encaixar no mercado, ajudando a consolidar novos campos e aplicações da estatística.”

Julio Trecenti é um desses estudantes que se adaptaram ao mercado desde muito cedo. Em 2012, enquanto produzia seu trabalho de conclusão de curso no IME, o estatístico participou da constituição da Associação Brasileira de Jurimetria (ABJ). Iniciou os trabalhos na organização já como diretor técnico, posição que ocupa até hoje. Atualmente, também é doutorando no IME e vice-presidente do Conselho Regional de Estatística.

O curso - A base da graduação em Estatística está fundamentada na matemática e na computação. Por isso, o estudante deve ter afinidade com a área de exatas. “Além disso, deve ser uma pessoa curiosa, que saiba fazer essa conversa entre a matemática e a aplicação”, acrescenta Guzmán.

“Outra característica fundamental é gostar de áreas que envolvam ações públicas e sociais. Um estatístico trabalha com dados que tenham um significado humano e os transforma em informação compreensível para todos”, destaca o professor do ICMC.

Para ajudar os estudantes de Estatística a desenvolver essa habilidade, a grade curricular do IME inclui uma disciplina de Língua Portuguesa, oferecida pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, localizada ao lado do instituto.


Nesse ponto, as grades curriculares têm suas particularidades. Em São Carlos, a grade oferece maior contato com a computação, por exemplo, porque no campus só há institutos de exatas.

Além dessa diferença, o curso do IME, em São Paulo, é diurno — tem aulas distribuídas de manhã e à tarde, mas não chega a ser em período integral — e dura quatro anos. Já a graduação do ICMC, em São Carlos, é noturna e dura quatro anos e meio.

O ICMC também conta com uma parceria com o curso de Estatística da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), próximo ao campus. Ambas as instituições coordenam um programa de pós-graduação integrado e os alunos da graduação podem ter acesso aos professores das duas universidades.

Adilson Simonis é professor de estatística do IME
(crédito: Cecília Bastos/USP Imagens)

Vida universitária e mercado de trabalho - Além dos aspectos acadêmicos, entidades estudantis também são um diferencial na experiência universitária. “Enquanto estava na graduação, participei do centro acadêmico, da empresa júnior e da atlética”, conta Julio Trecenti. “Essas entidades, em especial o centro acadêmico, foram muito importantes para a minha formação política e ajudaram a desenvolver a empatia necessária para um estatístico.”

Um dos principais projetos no qual Trecenti esteve envolvido na época da Universidade foi a descoberta de procedimentos burocráticos que adiam a chegada de crianças em orfanatos. A demora prejudica as chances de serem adotadas porque, ao término do processo, estão mais velhas do que a média de crianças mais procuradas para adoção.

O trabalho foi feito pela ABJ, que propôs algumas soluções para o problema. A jurimetria utiliza modelos estatísticos e probabilísticos para compreender processos jurídicos. Hoje, a proposta da ABJ está sendo discutida na Câmara dos Deputados.

“O estatístico está sendo valorizado pelas soluções que ele propõe”, pontua o professor Simonis. Ele acrescenta que a demanda por estatísticos aumentou após a criação da Lei de Acesso à Informação (LAI). “Agora, temos disponível um enorme volume de dados públicos que precisam ser organizados e interpretados para que se transformem em informação útil e compreensível para a população”, afirma.

Para Julio Trecenti, a estatística é um método científico e seguro para solucionar problemas da sociedade. “Você pode usá-la para a obtenção de qualquer conhecimento. Por isso, ela é tão importante para o futuro.”

Texto: Larissa Lopes  - Jornal da USP

Quer saber mais sobre o curso?
A USP oferece duas graduações em Estatística, uma no Instituto de Matemática e Estatística (IME) da USP, no campus Cidade Universitária, em São Paulo, e outra no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos. Confira: IME | ICMC

Formas de ingresso - Graduação em Estatística
Períodos: Diurno (IME) e Noturno (ICMC)
Vagas IME: 40 (34 pela Fuvest e seis pelo Sisu)
Vagas ICMC: 40 (32 pela Fuvest e oito pelo Sisu)
Vestibular organizado pela Fuvest: inscrição de 21 de agosto a 11 de setembro, neste site
Sisu: as inscrições para seleção de 2018 ainda não foram abertas, mas acompanhe pelo site do MEC